Salário dos profissionais de TI para 2015

Para o ano de 2015, a expectativa do mercado de tecnologia da informação é de que os salários dos profissionais deste setor suba, em média, 6,7%.

Apesar da crise econômica, muitos destes profissionais de tecnologia da informação são indispensáveis em suas empresas.

Os programadores, analistas de tecnologia, diretores de mídias sociais, entre outros profissionais, representam na verdade um investimento da empresa em área de tecnologia, o que pode inclusive aumentar as vendas – mesmo em um cenário de crise econômica.

A empresa de consultoria Robert Half divulgou, no início do ano, o Guia Salarial 2015, para os profissionais de tecnologia da informação. Este Guia Salarial informa os salários médios pagos por micro, pequenas e médias empresas, para os profissionais da área de TI.

Nesta área, para o ano de 2015, médias empresas aumentam a demanda por profissionais em projetos e start-ups, e grandes empresas lançam novos projetos na área de informação.

E além disto, diminuiu a contratação de profissionais de tecnologia da informação por meio de “pessoa jurídica”, quando o funcionário na verdade emite nota fiscal para receber pelo serviço prestado.

Veja a tabela média salarial dos profissionais de TI em 2015

1 – Diretor de Tecnologia da Informação / CIO:

Em Pequenas e Médias empresas: O salário de 2014 girava em torno de R$ 20.000 a R$ 35.000 – para o ano de 2015 gira em torno de R$ 20.000 a R$ 40.000.

Para Grandes Empresas: 2014 – entre R$ 25.000 e 55.000. 2015 – manteve o número.

A alta média neste cargo gira em torno de 4,5%

2 – Gerente de TI

Em Pequenas e Médias Empresas: 2014 – entre R$ 12.500 e 25.000; 2015 – entre R$ 13.000 e 26.000.

Em Grandes Empresas: 2014 – entre R$ 15.000 e 30.000; em 2015 – entre R$ 16.000 e 30.000

Alta de 3% neste cargo, em média. Mas a alta é para o salário de admissão, pois funcionários já contratados como Diretor de TI, CIO ou Gerente de TI geralmente, por terem salários maiores que os dos funcionários de base, não tiveram reajuste importante.

3 – Gerente de Projeto / PMO (Project Management Office)

Pequena e Média Empresa: 2014 e 2015 mantidos os salários entre R$ 9.000 e 18.000

Grandes Empresas: variando de 2014 (R$ 10.000 a 22.000) para 2015 (R$ 12.000 a 22.500) em média, 4%.

4 – Gerente de Infraestrutura/Telecomunicações

Pequenas e Médias Empresas: Mantidos os salários em 2014 e 2015 (entre R$ 9.000 e 16.000)

Grandes Empresas: Variação média de 3% (saltando de um salário entre 13 e 20 mil reais em 2014 para entre 13 e 22 mil reais)

5 – Coordenador de Infraestrutura/Telecomunicações

Pequenas e Médias Empresas: sem variação significativa, entre R$ 7.000 e 12.000 tanto em 2014 como em 2015.

Grandes Empresas: Também sem variação significativa, com salário médio para esta função entre R$ 8.500 e 16.500)

6 – Analista de Infraestrutura/Telecomunicações

Para Analista Sênior, o Salário não sofreu variações. Em Pequenas e Médias Empresas, variando tanto em 2014 como em 2015 entre R$ 4.000 e 7.000. Em Grandes Empresas, variando de R$ 5.000 a 8.500.

Para o Analista Pleno, em Pequenas e Médias empresas do setor, salários entre 3 e 5 mil reais. Em Grandes Empresas, entre 4 e 6,5 mil reais.

Para Analista Júnior (primeiro ano após a admissão), em Pequenas e Médias empresas, o profissional de TI tem um salário médio entre 2 e 4 mil, e grandes empresas, entre 3 e 5 mil reais.

7 – Gerente de Sistemas/Desenvolvimento

Este salário sofreu alterações importantes de 2014 para 2015.

Em Pequenas e Médias empresas, o salto foi de R$ 10.000 a 16.000 (em 2014) para R$ 11.000 a 16.500 (em 2015). Em Grandes Empresas, 2014 tinha um salário médio de 14 a 20 mil, e em 2015 um salário médio entre 14 a 22 mil reais mensais, para este cargo.

8 – Coordenador de Sistemas/Desenvolvimento

Este salário sofreu a maior variação positiva no período, de 10% em média

Em Pequenas e Médias Empresas, saltou de uma faixa de 7 a 13 mil em 2014 para R$ 8.500 a 14.000 em 2015.

Em Grandes Empresas, a faixa salarial que era entre 9 e 17 mil passa para entre 11 e 17 mil reais.

9 – Analista de Sistemas / Desenvolvimento

O profissional com nível Sênior tem uma faixa salarial em 2015 entre R$ 6.500 e 10.000, nas Pequenas e Médias Empresas, e entre 8 e 12 mil reais, nas Grandes Empresas. Variação de 5.5% comparada com a faixa salarial em 2014.

O Analista de Sistemas Pleno tem salário médio entre R$ 4.500 e R$ 6.500, nas Pequenas e Médias Empresas, e R$ 5.000 e 8.000, nas Grandes empresas. Diferença de 2% comparando-se com a faixa salarial em 2014.

O salário do analista de sistemas júnior (primeiro ano de admissão) também variou pouco em 2015, em torno de 2,5%. Em Pequenas e Médias empresas, a faixa passou para R$ 3.500 a 5.000. Em Grandes Empresas, entre R$ 3.500 e 6.000.

10 – Analista de Negócios

Na faixa Sênior, o Analista de Negócios tem um intervalo salarial para 2015 entre 7 e 12 mil (em pequenas e médias empresas) e 9 a 14 mil reais (em grandes empresas). Aumento de até 10% em relação a 2014.

O Analista de Negócios Pleno tem uma faixa salarial de 5 a 7 mil (em empresas P e M), e 6,5 a 8,5 mil reais (nas grandes empresas). Isto em 2015 representa um aumento salarial em torno de 5,5%.

O Analista de Negócios Júnior, por sua vez, tem salário médio entre 3,5 e 6 mil (P e M) e entre 4 e 6,5 mil reais (em Grandes empresas), o que significa que não houve aumento comparado com 2014.

11 – Analista de ERP

O Analista ERP – Enterprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais) cumpre uma importante função nas empresas. A faixa salarial dos profissionais de nível sênior subiu até 17% em 2015, com salários entre 8 e 13 mil reais (em pequenas e médias empresas) e 10 a 17 mil reais (em grandes empresas).

Já o Analista ERP Pleno tem faixa salarial entre 6 e 10 mil reais (em P e M) e 7 a 12 mil reais (em Grandes empresas), o que representa pouca diferença em relação a 2014.

O analista ERP júnior praticamente não teve aumento em sua faixa salarial. Continua com faixa de salário entre 3,5 e 6 mil reais (em Médias e Pequenas empresas) e 4,5 a 7,5 mil reais (em grandes empresas).

Sobre o autor: Ricardo Rodrigues

Formado em Engenharia e apaixonado pela área Financeira, Ricardo Rodrigues criou a NValores em Agosto de 2013 com a missão de melhorar a literacia financeira no Brasil. Exerceu funções profissionais inerentes à categoria de Consultor Financeiro na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras. Desde de 2013 com funções profissionais inerentes à categoria de CEO na RRNValores Unipessoal, Lda, especificamente, gere uma equipa formada por consultores, marketing de conteúdos e programadores que criam, desenvolvem e mantêm uma plataforma com informação e comparação de produtos financeiros gratuita para todos os utilizadores. Email: geral@nvalores.pt