Quanto tempo demora para um DOC cair na minha conta?

O DOC é um dos meios de transferência de dinheiro que os clientes bancários podem utilizar.

Inclusive, o NValores já disponibilizou aqui algumas informações sobre DOC e TED.

No artigo de hoje vamos explicar algumas outras informações que podem ser úteis, caso você precise efetuar ou receber um DOC em sua conta.

Saiba qual é o tempo de processamento de uma transferência bancária DOC

Com o advento do PIX, outros tipos de transferências bancárias – como o DOC e TED – têm caído em desuso.

Porém, para muitos clientes, estes métodos mais tradicionais ainda são mais confiáveis do que a transferência de dinheiro pela internet.

Por isso, a seguir falamos um pouco mais sobre o DOC, especialmente o seu tempo de processamento entre as contas bancárias.

Como é contado o prazo do DOC?

O prazo do DOC é contado a partir da data da emissão, quando ele é feito até as 21 horas e 59 minutos.

Depois deste prazo, qualquer operação bancária será considerada como efetuada por agendamento, para o dia útil seguinte.

O DOC tem o prazo de um dia útil para ser processado.

Isso quer dizer que o DOC só vai cair na sua conta, caso você receba, ou na conta do beneficiário, no dia útil seguinte ao da transação, até o encerramento do expediente bancário (16 horas).

Isso quer dizer que se você fez ou recebeu a informação de um DOC para a conta feito na sexta feira, até as 21 horas e 59 minutos, o prazo para liberar o DOC na conta é na segunda feira, até as 16 horas.

O DOC demora mais tempo que o TED? Ele tem custo diferente?

Os bancos têm uma política diferente para transações eletrônicas.

E isto depende do tipo de sua conta, do quanto você movimenta, o quanto e se você paga alguma tarifa de manutenção de conta.

De um modo geral, os bancos cobram tarifas para que os clientes realizem TED e DOC e os valores variam de acordo com o meio utilizado para fazer a transferência.

Confira a seguir os valores das tarifas praticadas pelos principais bancos no Brasil.

Caixa Econômica Federal

  • Presencial: R$ 22,00
  • Terminal de autoatendimento: R$ 10,45
  • Internet: R$ 10,45

Banco Bradesco

  • Presencial: R$ 21,95
  • Terminal de autoatendimento: R$ 11,05
  • Internet: R$ 11,05

Banco Itaú

  • Presencial: R$ 15,50
  • Terminal de autoatendimento: R$ 8,50
  • Internet: R$ 8,50

Banco Santander

  • Presencial: R$ 21,00
  • Terminal de autoatendimento: R$ 11,10
  • Internet: R$ 11,10

Banco do Brasil

  • Presencial: R$ 21,95
  • Terminal de autoatendimento: R$ 10,45
  • Internet: R$ 10,45

Dependendo da sua conta, o banco pode te isentar das tarifas de uma quantidade mensal de DOC ou TED, que você pode consultar inclusive pela internet.

Dados para receber o DOC no prazo correto

O DOC não é liberado mais rápido só porque você tem todos os dados.

Se você tem urgência, tente verificar a possibilidade de fazer ou receber um TED em sua conta.

Para gerar o DOC, os dados são os mesmos do TED.

O número do Banco, o código da Agência, sem o dígito, e o número da Conta do beneficiário.

Para receber um DOC na conta da Caixa Econômica Federal, é necessário ainda informar o tipo de operação.

Além disto, é necessário informar o CPF da pessoa que vai receber o DOC, o mesmo da conta a ser creditada.

O DOC não tem prazo imediato.

Então, verifique se você recebeu ou indicou os dados corretos para fazer o DOC. Você só terá como verificar se ele foi confirmado no dia útil seguinte ao da emissão.

Veja também: Como fazer um TED pelo Banco do Brasil

Posso fazer um DOC por prazo contínuo, ou determinado?

Sim.

Os bancos liberam as ferramentas de DOC e TED programados.

Isto é bastante útil caso você precise receber um DOC em sua conta em prazos determinados.

Por exemplo, todo mês, toda semana, a cada dois meses.

Os prazos são os mesmos.

Na verdade, o que muda é o agendamento. O DOC agendado será liberado no dia útil seguinte ao do agendado.

O TED geralmente cai alguns minutos, no dia útil em que for agendado.

Para este tipo de operação, verifique uma tarifa especial com o seu banco, chamada Transferência Programada.

É importante saber que para o DOC cair no prazo correto em sua conta, a conta que vai emitir a transferência deve ter saldo disponível, quando do prazo agendado.

Se a conta debitada tiver saldo menor, ainda que seja em poucos centavos, o DOC não será emitido no prazo correto.

Ou pior, pode fazer entrar no cheque especial, o que vai acarretar cobrança de juros e multa, pelo prazo em que estiver com este débito.

Não sei qual é a diferença entre TED e DOC

As diferenças, hoje em dia, estão nos valores, prazos e sistemas operados.

As transações eletrônicas realizadas em bancos são uma ótima alternativa a outros procedimentos, para realizar pagamentos e operações de transferência de recursos financeiros.

A transferência direta em dinheiro – em espécie – contém vários riscos, como assaltos, extravio do dinheiro, impossibilidade de comprovação imediata, entre outros. A transferência por cheque está caindo em desuso, já que existe o risco do cheque sem fundos, o risco de extravio, a não conferência de assinatura.

As transações realizadas eletronicamente pelos bancos, entre correntistas, são conhecidas pelas siglas TED e DOC. Mas, o que são estas siglas? E qual a diferença entre TED e DOC?

TED – Transferência Eletrônica Disponível

Antigamente era usado para valores maiores.

Mas hoje em dia, não há valor mínimo para se realizar uma transferência via TED.

O prazo para cair um TED na conta é de apenas alguns minutos, se o TED for efetuado até as 17 horas.

A Transferência Eletrônica Disponível é definida pelas normas do Banco Central do Brasil como uma transferência entre bancos diferentes, entre pessoas físicas ou jurídicas, podendo o correntista ser o mesmo ou não.

A operação TED é uma operação realizada praticamente em tempo real, entre bancos diferentes. Só pode ser realizada em dias úteis, através das agências, caixas eletrônicos e internet banking.

Esta operação não pode ser estornada.

O banco poderá cobrar taxas de acordo com o valor de sua cesta de serviço.

DOC – Documento Ordem de Crédito

O DOC é um documento de ordem de crédito. Também é realizado em transações realizadas por bancos diferentes.

Antigamente era usado para valores menores.

Com a evolução do sistema do TED acabou sendo usado menos, mas mesmo assim muita gente utiliza este sistema por falta de informação ou porque os valores são menores.

O prazo do DOC para cair na conta do beneficiário é de um dia útil. Isto quer dizer que você não consegue pagar ou receber o DOC no mesmo dia.

O DOC é um documento transferido apenas no dia útil seguinte ao da transação. Também não pode ser estornado. E ainda, os valores devem, por norma do Banco Central do Brasil, ser inferiores a R$ 4.999,99.

Ele é usado para transações financeiras de qualquer valor, até o limite de R$ 4.999,99.

Isso quer dizer que, se você quiser fazer ou receber um valor maior do que este, não vai poder usar o DOC para cair o valor na conta, independente do prazo.

Também é um serviço tarifado pelos bancos.

Diferenças entre DOC e TED, e transações eletrônicas entre o banco

Caso você precise fazer uma transferência, para sua conta corrente ou poupança, dentro do mesmo banco, esta transferência não é realizada por DOC ou TED, e sim por meio de Transferência Direta.

A operação é realizada em tempo real, em dias úteis, e geralmente os bancos não cobram taxas.

No caso da transferência entre bancos diferentes, sendo o mesmo titular de contas ou não, o usuário deve utilizar o TED ou o DOC.

As diferenças entre o TED e o DOC estão caindo em desuso.

Até o ano de 2003, o limite mínimo para TED era de R$ 5.000,00. Ou seja, em valores inferiores a cinco mil reais, o cliente só poderia escolher o DOC, e em transferências acima deste valor, apenas o TED.

 

Porém, com a evolução da tecnologia da informação, os bancos, a FEBRABAN e o Banco Central começaram gradativamente a reduzir o valor mínimo para o TED, até este ser abolido definitivamente.

Isto quer dizer que o cliente não sente mais tanta diferença entre TED e DOC. As taxas cobradas pelos bancos são praticamente as mesmas. E os clientes com contas de maior fluxo financeiro recebem ainda um determinado número de transações gratuitas por mês, já inseridas em sua cesta de serviços.

A diferença fundamental entre TED e DOC, hoje, se encontra no limite máximo e no prazo de compensação. O prazo do TED é em tempo real e o prazo do DOC é um dia útil.

O limite máximo do DOC é de R$ 4.999,99, enquanto o TED não tem limite máximo.

Isto se dá pois o TED é um sistema de compensação interbancária administrado pelos próprios bancos, enquanto que o DOC é um sistema de compensação administrado pelo Banco Central do Brasil.

O advento do PIX

No final do ano de 2020, o Banco Central anunciou um novo meio de pagamento, o chamado PIX.

O sistema PIX consiste num modelo de pagamento instantâneo, sendo mais uma opção de transferência de dinheiro, juntamente com o DOC e o TED.

Através do PIX, empresas e pessoas físicas podem fazer transferências, realizar ou receber pagamentos.

As transações levam no máximo 10 segundos para serem concluídas e toda a operação é feita através dos aplicativos bancários no próprio celular.

Para utilizar o sistema, o usuário deve criar uma chave PIX, que representa o “endereço” da conta bancária.

As chaves que podem ser cadastradas como identificação de conta são o CPF ou CNPJ, e-mail, número de telefone celular ou a chave aleatória.

Sua principal vantagem em relação aos métodos DOC e TED é que as operações através do PIX podem ser feitas 24 horas por dia e em todos os dias da semana, sejam feriados ou finais de semana.

E você? Quais destes métodos de pagamento costuma utilizar nas suas transações bancárias?

Categorias: Contas
Ricardo Rodrigues: CEO e Fundador da RRNValores Unipessoal, Lda, Ricardo Rodrigues gere uma equipa formada por consultores, criadores de conteúdos e programadores que desenvolvem e mantêm uma plataforma gratuita com informação e comparação de produtos bancários. Formado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) e apaixonado pela área Financeira, criou o nvalores.pt em Agosto de 2013 com a missão de garantir uma comparação independente de produtos bancários em Portugal. Exerceu funções de consultor financeiro independente na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras. Email: geral@nvalores.pt <a href="https://pt.linkedin.com/in/ricardo1rodrigues" target="_blank" rel="nofollow noopener noreferrer">LinkedIn</a>
Artigos Relacionados