O crédito pessoal pode ser descontado da sua conta salário?

São cada vez mais os usuários que optam por solicitar um crédito pessoal para fazer face a algumas necessidades. Muitas vezes os mesmos podem servir tanto para comprar um celular como para pagar o arranjo do carro.

Tudo irá obviamente depender das suas necessidades.

Para quem não sabe do que se trata, vamos começar por esclarecer.

O que é um crédito pessoal?

Um crédito pessoal, é tão somente um empréstimo que lhe é cedido pelo banco ou pela financeira, e que tem como principal intuito satisfazer uma necessidade existente.

Existem empréstimos com finalidades específica (como o financiamento automóvel ou para estudar), contudo, o crédito pessoal simples, tem como principal diferencial o fato de não haver a necessidade de comprovar a sua utilização.

A par disso, você pode escolher fazer o pagamento do seu empréstimo em várias prestações (no máximo 180 – 15 anos) através de débito automático, boleto bancário ou cheque pré datado.

É importante frisar que este tipo de empréstimo pode ser solicitado por qualquer pessoa (sim, mesmo os pensionistas e os usuários que estão negativados).

Assim, se precisa de um empréstimo pessoal, o mais importante é analisar as ofertas existentes no mercado, comparar as mesmas e escolher a que mais se adequa às suas necessidades. Muito provavelmente será a que tem as taxas de juro mais baixas já que irá permitir poupar algum dinheiro.

Embora as taxas de juro possam mudar trimestralmente, as taxas definidas para este ano são as seguintes:

  • Banco do Brasil – 3,91%
  • Banco Itaú – 4,38%
  • Banco Santander – 4,61%

Tenha em consideração que atualmente o Banco Mercantil cobra 8,67% de taxa de juro mensal. Este valor é um dos mais altos do mercado, e por esse motivo convém estar atento às várias propostas dos bancos e financeiras.

Mas será que depois de você contratualizar este crédito pessoal, o banco pode descontar a parcela na sua conta salário?

Pois bem, é isso mesmo que iremos ver de seguida.

Pode o banco descontar o crédito pessoal da conta salário?

Uma das dúvidas mais comuns é saber se o banco pode descontar o valor em dívida de um crédito pessoal diretamente na conta salário.

Pois bem, em primeira instância terá de estar em dívida para que o banco o possa fazer. E, depois, terá de concordar com essa forma de atuação.

Ou seja, o banco só pode ir à sua conta salário para cobrar a dívida se você autorizar. Existem vários artigos que o protegem dessa questão (nomeadamente o artigo 649 do Código do Processo Civil, e o artigo 51, inciso IV do Código de Defesa do Consumidor).

Assim, no caso de haver da sua parte essa autorização, saiba que o débito será realizado assim que o salário cair em sua conta. E se ocorrer a portabilidade do mesmo, o desconto será realizado antes do mesmo ser movido para o banco que se destina.

Mas, é importante saber de antemão, que embora o crédito pessoal não possa ser automaticamente debitado do seu salário, existem financiamentos que possibilitam essa situação.

Um bom exemplo é o crédito consignado. Neste tipo de empréstimo, todos os mesmos as parcelas da dívida saem automaticamente do seu salário ou do benefício do INSS.

Basicamente durante o tempo de contratação do empréstimo consignado você irá ter menos dinheiro disponível na sua conta. Desse modo, os bancos garantem o pagamento atempado e evitam cobrar juros por atrasos.

O que fazer no caso de cobrança ilegal do crédito pessoal?

Ora bem, saiba desde já que existem algumas coisas que pode fazer se estiver numa situação em que tenham debitado de forma não autorizada um crédito pessoal do seu salário.

Em primeiro lugar pode ligar para o banco pelo SAC e pedir o resto da reclamação. Se optar por esta via, não se esqueça de regista o número do protocolo. Mas, saiba de antemão que o Banco Central não resolve este tipo de situação se apenas uma pessoa foi acometida.

No caso de não haver resolução, você pode entrar com uma ação indemnizatória cumulada com repetição de indébito. Deste modo, a reconstituição será realizada no dobro (se retirarem R$ 100 indevidamente, têm de lhe restituir R$ 200).

Mas, para isso irá ter de provar que o banco agiu de má fé uma vez que não houve da sua parte qualquer tipo de autorização.

Assim, e de modo a evitar este tipo de problema, é então importante ter cuidado na hora de contrair qualquer tipo de empréstimo.

Os mesmos devem ser sempre liquidados antes da data limite de modo a evitar a cobrança de juros ou taxas adicionais.

Perceba se o crédito pessoal é realmente aquilo que necessita para suprimir as suas necessidades. Caso contrário, evito colocar-se numa situação de dívida, pois facilmente poderá descontrolar a situação se não tiver cuidados redobrados.

Sobre o autor: Ricardo Rodrigues

Formado em Engenharia e apaixonado pela área Financeira, Ricardo Rodrigues criou a NValores em Agosto de 2013 com a missão de melhorar a literacia financeira no Brasil. Exerceu funções profissionais inerentes à categoria de Consultor Financeiro na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras. Desde de 2013 com funções profissionais inerentes à categoria de CEO na RRNValores Unipessoal, Lda, especificamente, gere uma equipa formada por consultores, marketing de conteúdos e programadores que criam, desenvolvem e mantêm uma plataforma com informação e comparação de produtos financeiros gratuita para todos os utilizadores. Email: geral@nvalores.pt