Categorias: Crédito
| On
07/06/2017

Como funciona o financiamento de imóveis

Comprar casa sem recorrer ao crédito é quase uma miragem para a maioria dos brasileiros, por isso é muito importante perceber como funciona o financiamento de imóveis.

No Brasil, quem pretende adquirir sua própria habitação tem duas possibilidades: o Sistema Financeiro de Habitação (SFH) ou o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI). Quais são as diferentes entre esses dois sistemas, pergunta você.

O SFH tem como principal objetivo auxiliar quem o segmento de baixa renda. Já o SFI existe para dotar as classes com maior poder de compra de uma maior capacidade para adquirirem seu próprio imóvel.

O SFH foi criado pela Lei º 9.514 e entrou em vigor em novembro de 1997, trazendo para o setor de financiamento imobiliário todo um novo sistema de crédito.

Caraterísticas do financiamento imobiliário Brasileiro

Quem pretenda saber como funciona um financiamento imobiliário precisa de decorar nomes siglas como FGTS e FAT, que são elementos fundamentais de todo o processo de financiamento.

Passamos a explicar:

O principal financiador do segmento imobiliário é a Caixa Econômica Federal, a qual usa recursos especialmente criados para esse fim. Os principais recursos da Caixa Econômica Federal para esse fim são: o Orçamento Geral da União, o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Existem ainda recursos que a CEF pode canalizar para financiar a aquisição de uma habitação como Letras Hipotecárias ou os depósitos de poupança.

Para os financiamentos inseridos no SHF, as operações devem seguir determinadas regras:

  • O limite superior do valor unitário de cada financiamento é de R$ 450.000,00:
  • O valor de avaliação do imóvel alvo de financiamento não pode ultrapassar os

R$ 500.000,00:

  • O custo máximo do financiamento não pode exceder 12% ao ano (incluindo juros e outros encargos financeiros).

Existe ainda outra alternativa de financiamento de imóveis, o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) no qual não existe limite de renda. Outra diferença relevante entre um financiamento concedido no âmbito do SFH e um financiamento SBPE é que nesse último as taxas de juros podem ultrapassar os 12% ao ano.

Principais riscos

O principal risco associado aos sistemas de financiamento de imóveis existentes no Brasil é a liquidez, uma vez que os empréstimos são concedidos a longo prazo e a captação de recursos é de curto prazo.

Contudo, é necessário frisar que a maior estabilidade dos depósitos fez com que o risco de liquidez não seja hoje um problema tão grave.

Por outro lado, as oscilações dos juros poderiam ser um grande risco, mas a aplicação de taxas permite contornar esse risco potencial.

Como é feita a avaliação de imóvel

Para saber como funciona o financiamento de imóveis também precisa de saber como se processa a avaliação do imóvel.

Essa avaliação é realizada pelo banco, recorrendo a um engenheiro, arquiteto ou empresa especializada e tem o objetivo de confirmar o valor do imóvel que será sujeito a financiamento.

Após a avaliação do imóvel se seguirá a parte burocrática, com o tratamento de toda a documentação necessária.

Ricardo Rodrigues

CEO e Fundador da RRNValores Unipessoal, Lda, Ricardo Rodrigues gere uma equipa formada por consultores, criadores de conteúdos e programadores que desenvolvem e mantêm uma plataforma gratuita com informação e comparação de produtos bancários. Formado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) e apaixonado pela área Financeira, criou o nvalores.pt em Agosto de 2013 com a missão de garantir uma comparação independente de produtos bancários em Portugal. Exerceu funções de consultor financeiro independente na Empresa Maxfinance, nomeadamente assessoria na obtenção de crédito pessoal, crédito consolidado, crédito automóvel, cartões de crédito, crédito hipotecário, leasing, seguros e aplicações financeiras. Email: geral@nvalores.pt LinkedIn

Este site utiliza cookies.